Homens também sofrem com transtornos alimentares

Gordura X Açúcar
14/08/2012
Falta de Atividade Física Reduz Expectativa de Vida em Até 10 Anos
22/08/2012
Exibir tudo

Ficar sem comer, provocar vômito, compensação por excessos e até abuso de suplementos alimentares são cada vez mais frequentes entre homens

Anorexia nervosa, bulimia nervosa e transtorno da compulsão alimentar periódica. Ao contrário do que se pensa, doenças que parecem ser exclusivamente femininas são cada vez mais frequentes nos homens. De acordo com a Dra. Maria Del Rosario, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN), a obsessão masculina com a estética corporal e com a balança é resultado da pressão – que, se antes não existia, pelo menos não era tão comum – por um corpo perfeito, seja ele magro ou musculoso.

“Tanto nos homens quanto nas mulheres, inúmeros fatores, sejam biológicos, genéticos, ambientais, socioculturais ou psicológicos, podem desencadear transtornos alimentares”, explica a médica. Segundo ela, os homens possuem alguns agentes de risco. No aspecto biológico, a puberdade e a obesidade podem influenciar. Já nos socioculturais e psicológicos, a pressão da mídia, dos pais e amigos, e de algumas profissões, assim como perfeccionismo ou o uso de álcool e drogas, favorecem o desenvolvimento do distúrbio alimentar.

Entenda os tipos mais comuns de transtornos alimentares que acometem os homens:

“Manorexia”: anorexia nervosa nos homens
De acordo com a Dra. Rosario, “manorexia” é o termo atual utilizado para descrever a ocorrência da anorexia nervosa nos homens. “Pode se apresentar na forma de restrição alimentar pura, uma preocupação exagerada com a composição calórica e com a preparação dos alimentos ou na forma purgativa. Nas duas formas, aparecem também o medo de ganhar peso e uma perturbação na imagem corporal”. Ela lembra que existem poucos estudos no mundo que avaliam a relação entre os homens e este distúrbio, mas estima-se atualmente que os homens representem de 15% a 20% do total de casos de anorexia nervosa e bulimia nervosa – ou seja, em cada cinco pessoas com essas patologias, uma é homem.

Bulimia nervosa
A compulsão alimentar seguida de compensação através de vômitos, características da bulimia em mulheres, acontece também com os homens, segundo a médica nutróloga. O abuso de substâncias medicamentosas para emagrecer e a prática de atividade física exagerada são outros sintomas da bulimia nervosa no sexo masculino. Diferente das mulheres, as complicações nos homens estão mais relacionadas à desidratação, hipotensão arterial, maior perda óssea e uma significativa queda na produção de testosterona.

Transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP)
“Nesses casos, os homens apresentam um comportamento impulsivo por comida, que não é seguido por alguma forma de compensação, como no caso da bulimia nervosa”, conta a Dra. Rosario. Ela observa que os homens deste grupo manifestam um grau de obesidade relevante. “Os casos masculinos de TCAP representam até 40% do total de pacientes com esse transtorno”, indica.

Vigorexia – transtorno alimentar dismórfico
A vigorexia é a obsessão por aumentar a massa muscular. As características mais comuns são preocupação exagerada com o corpo, distorção da imagem corporal e baixa autoestima. “Existe uma ansiedade excessiva pela atividade física, abuso de complementos alimentares, proteínas e aminoácidos, assim como também pelo consumo de substâncias ergogênicas, como os anabolizantes, para obter ganho muscular”, comenta a especialista. “E isso, claro, pode ser prejudicial à saúde, uma vez que esse tipo de suplementos provoca múltiplos efeitos colaterais. No caso do abuso de anabolizantes, pode levar até a quadros cardiovasculares e psiquiátricos graves”.

Acompanhamento médico é essencial
Segundo a diretora da ABRAN, o problema mais frequente para os homens com transtornos alimentares é que, por associarem os distúrbios a doenças femininas, os familiares não procuram ajuda profissional. “Realizar o diagnóstico precoce e propiciar o tratamento adequado é a melhor maneira de evitar que o quadro se torne perigoso, podendo levar até à morte”.

“O médico nutrólogo deve estar atento e intervir quando um paciente apresentar características obsessivas com os hábitos alimentares, pois esses comportamentos podem provocar deficiências nutricionais”, considera. Ela completa que, como o transtorno alimentar é uma doença multifatorial, é preciso que o tratamento tenha enfoque interdisciplinar, envolvendo diferentes especialistas e múltiplas técnicas que devem estar em sintonia para cada paciente em particular.

Anorexia, bulimia e transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) são alguns dos temas abordados no XVI Congresso Brasileiro de Nutrologia, que acontece entre 19 e 21 de setembro, em São Paulo.

Sobre a ABRAN
A ABRAN é uma entidade médica científica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina. Fundada em 1973, dedica-se ao estudo de nutrientes dos alimentos, decisivos na prevenção, no diagnóstico e no tratamento da maior parte das doenças que afetam o ser humano, a maior parte de origem nutricional. Reúne mais de 3.800 médicos nutrólogos associados, que atuam no desenvolvimento e atualização científica em prol do bem estar nutricional, físico, social e mental da população.

Fonte: ABRAN

Os comentários estão encerrados.